quarta-feira, 4 de junho de 2008

Farra de tatus!

Tatu-peba (Euphractus sexcinctus)
Ontem, enquanto eu estava fazendo o trabalho rotineiro do projeto de vasculhar as invernadas da fazenda atrás de possíveis carcaças de animais predados por onças, eu consegui registrar uma das cenas mais inusitadas que eu já vi no Pantanal, uma farra de tatus!

A primeira vez que eu vi isso, já fazem alguns anos, e foi junto com o seu Getúlio e o Rica, lá na fazenda Caiman, durante uma saída atrás de porco monteiro. Na época, eu e o Rica achamos uma viagem aquela meia dúzia de tatus, uns atrás dos outros em fila, e o seu Getúlio, com toda sua experiência de Pantanal falou: -"Isso é farra. Tatu faz igual cachorro". Achei aquilo muito legal, mas nunca mais eu tinha visto.


Aí, no dia 22 de Maio passado, estávamos eu e seu João indo levar a Tatiana (veterinária) que veio trabalhar no projeto ao Buraco das Piranhas, quando a gente vê sete tatus-peba correndo em fila indiana. Na hora me lembrei do seu Getúlio e do termo "farra de tatu". Paramos o carro e ficamos olhando. Aparentemente havia apenas uma fêmea, com uma fila de cinco tatus (machos?) atrás dela, e ela foi seguindo até entrar num capão, lograr aquela galera lá dentro, e reaparecer sozinha do lado de fora. Foi quando apareceu um sétimo tatu, vindo do outro lado, chegou perto dela e já montou para cruzar! Logo depois foram aparecendos os outros e saiu aquela fêmea correndo com um macho pendurado nela (próxima foto)!

Ontem, enquanto eu andava dentro de um dos capões procurando carcaças eu vi a maior farra de tatus! Eram 12 tatus dentro de uma área de 50m2, fazendo a maior zoeira. Entravam e saiam do mesmo buraco, se cheiravam, se estranhavam, corriam uns atrás dos outros, isso tudo a não mais do que 5m de mim. Foi engraçado porque, primeiro eu vi apenas um tatu, e a máquina estava guardada. Logo em seguida eu vi mais dois, e pensei: "será que dá tempo de pegar a máquina?". Mas não deu, pois eles me perceberam, só que foi aí que eu vi, alguns metros pra frente, mais nove tatus-peba andando em fila indiana! Aí eu não resisti, amarrei o cavalo, peguei a máquina e saí de mansinho até o centro da "confraternização", de onde tirei as fotos que ilustram essa postagem. O mais legal, é que depois de tudo eu ainda consegui ir embora sem que os tatus nem se dessem conta de que eu estive ali. É por isso que a gente acha tanto tatu predado... Ainda bem que tem essas farras de tatu pra manter a população!



4 comentários:

Gárgula disse...

Sensacional saber que isto existe!!!

Carol Coelho disse...

Muito legal essa farra!!! Que bagunça heim? O melhor foi ver voce contando a historia. Manda mais! Bjs CA

Italo disse...

E eu nem sabia que existia bacanal de tatus... muito legal, bom trabalho, continue postando coisas assim.

tatu disse...

muito bm bjs